St. John's Wood
CLIQUE NO AQUI PARA VISITAR O SITE DA SJW OU

Leia mais sobre a Saint John's Wood English School em português aqui
Help to sponsor other pages

ESL - English as a Second Language no exterior
Intercâmbio para adultos

ESL não é uma rede de escolas, é apenas uma sigla que significa English as a Second Language - ensino de inglês como segunda língua - isto é, o ensino de inglês para aqueles que não o falam como língua materna. Frequentemente também são usadas as siglas EFL (English as a Foreign Language) e ESOL (English to Speakers of Other Languages), todas significando basicamente o mesmo.

Os preços das escolas de inglês podem variar de 400 a 600 dólares ou mais por semana, incluindo tudo: tuition e living expenses.

Nos Estados Unidos, esta variação vai normalmente de 450 a 600 dólares para a maioria das escolas dependendo muito da cidade em que se localizam. Cidades grandes são sempre mais caras. Excepcionalmente encontra-se uma escola mais barata, além de cursos gratuitos oferecidos por escolas públicas. Nos Estados Unidos existem três tipos de escolas ESL (inglês para estrangeiros):

O American English, falado nos EUA e Canadá, é o dialeto preferido por muitos devido à importância econômica e política dos Estados Unidos bem como à forte influência da cultura norte-americana no mundo. Brasileiros entretanto precisam de visto para entrar em ambos os países, sendo que para os EUA é mais demorado e difícil de se obtê-lo.

No Canadá também se encontra ESL departments em universidades e escolas particulares de ESL, porém dificilmente se encontra ESL gratuito em escolas públicas. O preço das escolas de ESL no Canadá são em geral mais acessíveis do que em outros países. Além disso, o Canadian English desfruta de boa aceitação internacional por representar o Standard American English, porém isento de qualquer pronúncia regionalista, bem como por representar uma combinação de tendências e por ser a língua principal de um país que convive com o bilinguísmo há mais de dois séculos. Portanto, o Canadá possui mais tradição no ensino de línguas do que qualquer outro país, além de ter a sociedade canadense uma reputação de hospitaleira. Brasileiros precisam de visto para entrar no Canadá.

Na Inglaterra os preços variam de 450 até 700 dólares ou mais por semana. As mais caras parecem ser realmente muito bem estruturadas e organizadas, mas qualquer escola representa uma experiência de grande proveito, não tanto pelas aulas e pela escola em si, mas principalmente pela possibilidade de imersão na língua e na cultura. Para muitos a Inglaterra é a escolha preferencial por representar o país de origem da língua inglesa, bem como pelos atrativos turísticos que a Europa oferece. Além disso, a legislação do Reino Unido permite trabalho temporário para quem está matriculado por mais de 28 semanas (6 meses). Brasileiros não precisam de visto para entrar no Reino Unido. Entretanto, se houver intenção de trabalhar ou de permanecer mais de 6 meses, um visto de estudante deve ser solicitado ao dar entrada no aeroporto do Reino Unido ou obtido antecipadamente junto ao Consulado Britânico do Rio de Janeiro.

REQUISITOS PARA O VISTO DE ESTUDANTE NO REINO UNIDO

De uma forma geral, programas de ESL no exterior são menos atrelados a receitas didáticas do que cursinhos de inglês que estamos acostumados a frequentar no Brasil. Enfatizam mais o ato comunicativo e exploram a habilidade de seus instrutores falantes nativos da língua.

Os preços, tanto na América do Norte como na Inglaterra, variam muito dependendo do tipo de acomodação. Homestay (estadia em casas de famílias) é normalmente a alternativa mais barata para curtos períodos (1 a 6 meses), e a mais interessante dos pontos de vista de intercâmbio cultural e de contato com o idioma, pela oportunidade de convívio que oferece. As famílias normalmente são remuneradas pela hospedagem e serviço que oferecem e têm experiência em receber estrangeiros das mais diferentes procedências. Portanto, estão acostumadas a lidar com diferenças culturais, têm um alto grau de tolerância e tratam o hóspede com profissionalismo.

Para longos períodos (mais de 6 meses) o aluguel direto de um apartamento ou o compartilhamento de um apartamento ou casa alugada com outro(s) estudante(s) é possivelmente mais barato. Além disto, quase todas universidades dispõem de dormitórios com diferentes preços que dependem do tipo de acomodação. Todos são invariavelmente bons no que diz respeito a limpeza, segurança e organização, e além disso oferecem refeições.


Europa School of English - Bournemouth
CLIQUE NO AQUI PARA VISITAR O SITE DA EUROPA SCHOOL OF ENGLISH DE BOURNEMOUTH OU

Leia mais sobre a Europa School of English em português aqui


TRABALHO NO EXTERIOR

É importante lembrar que estudantes estrangeiros no exterior, oficialmente, não podem obter emprego. Existem apenas duas exceções: estrangeiros com visto de estudante nos EUA e na Inglaterra.

Nos EUA, o estudante tem permissão para trabalhar apenas no campus da universidade onde estuda, normalmente em funções não qualificadas e de baixa remuneração.

Na Inglaterra, o estudante regularmente matriculado em escola de inglês também pode obter um licença especial de trabalho part-time (20 horas por semana) durante seu período de estudos. A remuneração é de 4 a 5 libras por hora, o que cobre cerca da metade do custo do curso e da hospedagem. Para ter direito ao visto de estudante, a pessoa tem que estar matriculada por 28 semanas ou mais. O visto é obtido via correio com o Consulado Britânico no Rio, e leva em torno de 3 meses para ser emitido. Não existe entretanto a possibilidade de sair daqui com emprego, porque este depende da pessoa e do empregador, que naturalmente vai querer conhecer o candidato antes de lhe dar emprego. A obtenção do emprego de meio expediente se dá através dos job centers, onde o estudante preenche uma ficha e se cadastra como candidato a emprego. A escola poderá orientar e se oferecer para dar referências.

Além disso, algumas escolas de ESL arranjam estágios não remunerados para seus alunos, cujo único objetivo é proporcionar mais contato com a língua e o funcionamento da sociedade.

Afora as 3 situações acima, trabalho legal, só se uma empresa do país patrocinar um visto de trabalho. Para isso, entretanto, a empresa teria que justificar essa necessidade. Este é um processo caro e burocrático e tem que ser feito antes da pessoa viajar.

Para muitos, há a alternativa do mercado informal de trabalho, isto é, trabalho ilegal. Para isso, o único caminho é primeiro chegar lá, aprender inglês e se familiarizar com funcionamento da sociedade, travar relacionamentos e, então, talvez encontrar o que procura. Mercado de trabalho existe em abundância, e as chances de conseguir colocação vão depender muito da habilidade do estudante em se comunicar e se relacionar com as pessoas, bem como de suas qualidades pessoais como predisposição e flexibilidade para qualquer tipo de trabalho, pontualidade, eficiência, etc.

COMO ESCOLHER UMA ESCOLA DE INGLÊS NO EXTERIOR

Quando alguém viaja com a finalidade de aprender a língua e a cultura estrangeira, o mais importante é a experiência de convívio humano e as situações reais de comunicação que daí decorrem. A oportunidade de imersão na língua e na cultura estrangeira é, às vezes, de maior valor que a instrução formal recebida em sala de aula.

Por isso, não devemos nos influenciar pelas cores da brochura, nem pelo preço. A mais cara nem sempre é a melhor. A melhor escola será aquela que tiver mais calor humano, a que dispensar maior atenção pessoal, que oferecer um clima mais acolhedor e se esforçar para ajudar o estrangeiro a se integrar na comunidade local. A casa em que o aluno se hospedar também desempenha um papel importante. Isto muitas vezes é uma questão de sorte, mas normalmente as escolas pequenas, principalmente aquelas independentes, gerenciadas pelos próprios donos, têm um contato mais direto e pessoal com alunos e famílias hospedeiras, condições portanto melhores de montar um programa em que o aluno se sinta bem.

CARGA HORÁRIA

Programas de 20 e 25 horas semanais são mais procurados do que os de 30 horas por serem menos cansativos e permitirem mais tempo para outras experiências, além de mais baratos. A regra geral é a seguinte: quanto mais longo o programa, menor a carga horária. Uma carga horária de aula de 30 horas semanais é mais indicada para programas curtos de 4 semanas ou menos. Outra alternativa interessante para o aluno que quiser intensificar sua carga horária, é fazer duas ou três aulas individuais, voltadas especificamente à sua área de interesse.

DIVULGAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO

Outro aspecto importante a considerar é que as escolas pertencentes a grandes redes provavelmente terão um custo administrativo mais alto, o qual tem que ser repassado ao aluno. Algumas possuem um departamento de marketing eficiente, que produz e distribui brochuras caras a todas agências de viagens no Brasil. Também os programas educacionais comercializados no Brasil por cursos de inglês franqueados são mais caros porque a taxa de intermediação é dupla: uma para o franqueado e outra para o franqueador.

Fato mais grave do que preço, entretanto, é que o aluno vai esperando uma imersão na cultura estrangeira mas acaba encontrando um grande número de conterrâneos, imergindo num confortável ambiente de sua própria língua e cultura e traindo o objetivo principal da viagem. Vejam o que um frequentador de nosso site disse recentemente:

Tive uma experiência terrível em San Diego no ano passado, onde estudei numa escola vinculada ao ...... em La Jolla chamada ........... O dono era brasileiro e só tinha estudantes brasileiros que não respeitavam o objetivo do curso e falavam em português o tempo todo.
Gustavo <G***@visanet.com.br> janeiro de 2001.

Lembre-se portanto de que quanto maior e mais divulgada a agência de intercâmbio, tanto maior a chance de se encontrar conterrâneos brasileiros, com os quais invariavelmente acaba-se falando português. Este é um fator de peso para o aproveitamento do aluno.

VIAJAR SOZINHO OU EM GRUPO?

Programas de intercâmbio oferecem a grande vantagem da imersão total e completa na língua e na cultura estrangeira. Entretanto, se o aluno viajar em grupo ou se dirigir a uma escola onde encontrará conterrâneos, essa imersão fica prejudicada. Viagens em grupo podem ser muito divertidas, pois o convívio com conterrâneos nas horas livres cria uma zona de conforto mas cria também um microambiente de língua e cultura brasileira que acaba comprometendo o objetivo principal da viagem - o aprendizado da língua e da cultura estrangeira.

O convívio com conterrâneos é confortável e difícil de ser evitado. Somos naturalmente atraídos por aqueles com quem compartilhamos os mesmos valores. O contato com conterrâneos, entretanto, reforça nossos preconceitos culturais e nos cria uma certa impermeabilidade aos valores da cultura estrangeira.

Já o intercambista solo fica muito mais permeável. Para enfrentar a saudade e a solidão, o indivíduo se abre mais em busca de convívio humano. Torna-se mais tolerante com as diferenças e assimila tudo de forma mais completa.

CERTIFICADO

Aqueles que dão importância a certificado, lembrem-se que o culto ao documento como instrumento de comprovação não passa de um vício da nossa cultura brasileira. Não se deixem influenciar muito por isso. O que vale mesmo é a habilidade adquirida e demonstrada. Se houver uma necessidade real de comprovação de proficiência, devem procurar se submeter ao final de seus programas aos testes internacionais de avaliação de proficiência como o TOEFL na América do Norte ou o IELTS, o CPE e os NVQs na Inglaterra.

LOCALIZAÇÃO

Cidades pequenas podem ser mais interessantes e mais baratas do que cidades grandes. Grandes metrópoles não oferecem a mesma facilidade de convívio comunitário das pequenas cidades, e dificilmente os programas de ESL nelas instalados oferecem a opção de estadia em casa de família. O aluno que deseja conhecer os atrativos de uma grande metrópole, pode fazê-lo em fins de semana ou pode ao final do programa reservar alguns dias para visitá-la, antes de retornar. Evite também lugares turísticos, principalmente em épocas de férias.

CLIMA

Nós, que vivemos num clima tropical, facilmente nos deixamos levar pela preocupação de passar desconforto em países de clima frio. Entretanto, aqueles que já tiveram a experiência sabem que a preocupação não procede. Uma canadense membra de nossa equipe que vive aqui no Rio Grande do Sul costuma dizer que passa mais frio aqui do que no Canadá. Isto porque nosso inverno não é rigoroso nem prolongado a ponto de exigir uma infra-estrutura de aquecimento nos prédios para neutralizar o frio. Além disso, nosso clima no Brasil é muito úmido, o que também causa desconforto. Nos países de clima frio, todas habitações e prédios possuem aquecimento central de grande eficiência e o frio é predominantemente seco, o que ajuda a não causar desconforto. Um inverno no Canadá, por exemplo, pode se constituir numa experiência inesquecível.

TIPO DE ACOMODAÇÕES

Verifique sempre se as acomodações são individuais ou se você terá que dividir o quarto com outro estudante estrangeiro. Este detalhe pode influir no preço significativamente.

Finalmente, se a passagem aérea lhe for oferecida num "pacote" fechado, exija o preço discriminado do curso e da passagem, bem como a opção de comprá-los separadamente, para ter certeza de que em nenhum dos itens você está pagando mais do que o necessário.

ESCOLAS REPRESENTADAS POR NOSSOS PATROCINADORES

Os principais patrocinadores deste site estão associados e representam 7 escolas de ESL que se enquadram no perfil acima descrito:

Todas as escolas representadas no Brasil por S&K foram pessoalmente visitadas e são constantemente avaliadas quanto à qualidade dos serviços oferecidos.

Além das escolas acima, existe um universo de opções para estudo de inglês. English Made in Brazil oferece aqui um catálogo com mais de 700 endereços de escolas de ESL e EFL no exterior, o qual é constantemente atualizado. Este é provavelmente o banco de dados mais completo do Brasil sobre escolas ESL no exterior, o qual inclui E.U.A., Canadá, Inglaterra, Irlanda, Austrália e Nova Zelândia, praticamente todos os países de língua inglesa. É resultado de vários anos de pesquisa junto a órgãos oficiais, consulados e universidades, além de incansável pesquisa através da Internet.

Incentivamos a todos alunos de inglês a buscarem a experiência de estudar no exterior, nem que seja por pouco tempo. Tendo isso em vista, colocamos nossas informações à disposição de nossos alunos bem como do público em geral.


ESCOLAS DE INGLÊS ESL (ENGLISH AS A SECOND LANGUAGE) OU EFL (ENGLISH AS A FOREIGN LANGUAGE) CADASTRADAS POR PAÍS:
DIFERENÇA ENTRE ESL E EFL
CISL
CISL: Cursos de Inglês na Califórnia

UNITED STATES: 370 schools


CANADA: 124 schools


UNITED KINGDOM (ENGLAND, WALES, SCOTLAND, NORTH IRELAND): 240 schools


AUSTRALIA: 61


MODELO DE CARTA PARA PEDIDO DE INFORMAÇÕES A ESCOLAS NO EXTERIOR
MODELO DE FINANCIAL STATEMENT OU FINANCIAL GUARANTEE

Outros sites sobre escolas de inglês no exterior:
GLOBAL STUDY (TAMBÉM SOBRE PROGRAMAS DE ESL NO EXTERIOR)  link
TANDEM-SCHOOLS (TAMBÉM SOBRE PROGRAMAS DE ESL NO EXTERIOR)  link

Proibido reproduzir sem autorização. Propriedade de Schütz & Kanomata, ESL.

Programas no exterior
 - Intercâmbio em High School
 - Au Pair nos EUA
 - Estágios remunerados
In Brazil
 - Portuguese as a Second Language
 - International K-12 schools
ESL: 700 escolas em 6 países
 - EUA
     - Universidade de Wisconsin
 - Canadá
     - SK-Bronte Language Centre
     - SK-English School Calgary
 - Inglaterra
     - SK-Bournemouth International College
 - Irlanda: ICSL
 - Austrália
Mestrados e Doutorados nos EUA
 - MBA nos EUA
 - TOEFL, IELTS, CPE
 - Sistemas educacionais Brasil/EUA/UK
 - Financial aid
 - Colleges & Universities  links
Menu principal    |    Perguntas & Respostas    |    Equipe EMB

(51) 3715-3366